Já escolheu seu projeto? Que tal aprender como fazer o passo a passo da obra?

Então agora precisamos seguir um passo a passo para começar a tirar este projeto do papel e transformá-lo em realidade. Antes de comprar seu kit de construção, leia com atenção os pré-requisitos e as informações relevantes sobre as etapas de construção.

1. Pré-requisitos para início da obra

Antes de iniciar a construção é fundamental que se tenha em mãos toda a documentação do terreno e a situação cadastral frente a prefeitura de sua cidade. Isto é importante porque garante que todo o investimento feito na obra estará seguro num patrimônio de sua propriedade.  Também é importante certificar-se da correta alocação do terreno no loteamento ou condomínio, certificando-se das corretas dimensões das divisas e posicionamento na quadra.

Ao escolher o projeto da sua futura casa é preciso levar em conta também alguns fatores como insolação,  o afastamento dos muros e divisas do terreno, adequação das dimensões da casa ao tamanho do lote,  o relevo e, acima de tudo,  as necessidades da sua família.

Antes de iniciar sua a obra é necessária a aprovação do projeto perante os órgãos de urbanismo da prefeitura. Em muitas cidades habitações de até 70m² dispõem de processo simplificado para emissão do alvará de construção.  Aconselhamos assim que antes de iniciar sua obra entre em contato com a secretaria de urbanismo de seu município e informe-se sobre os corretos procedimentos a serem adotados para a obtenção da documentação.

Uma vez resolvidas todas estas questões, pode providenciar a infra-estrutura para a montagem do canteiro.

Ligação de água e luz

Para a ligação de água, vá diretamente à empresa fornecedora do seu estado e verifique a documentação necessária, bem como a disponibilidade de serviço de esgoto. Isto é bastante importante porque se não houver este serviço disponível será necessária a instalação de um sistema de captação e destinação dos esgotos de sua casa.

Para a ligação de energia elétrica, será necessário providenciar o local para a instalação do equipamento (relógio), obedecendo ao padrão determinado pela empresa de energia de seu estado.

É muito importante que, ao solicitar estes serviços, o seu lote esteja corretamente identificado com a numeração predial oficial, determinada pela prefeitura, e de forma bastante visível.

Preparação e limpeza do terreno

Primeiramente escolha, de acordo com os critérios acima mencionados, o local onde vai ser construída a sua casa.  Demarque no terreno,  de forma simplificada, as dimensões da casa com alguma folga no entorno e remova toda a vegetação rasteira, pedras, restos de outras edificações e, no caso de árvores de grande ou médio porte, certifique-se da necessidade ou não da licença ambiental municipal, junto a prefeitura de sua cidade.

Verifique também se o local da obra se encontra nivelado ou se será necessária a correção do solo, com aterro ou remoção de terra, para que ao final tenhamos uma superfície plana horizontal adequada para a implantação da base da casa.

 

2. Base (para edificações de até 70m²)

Preliminarmente procede-se a alocação precisa da residência, através da construção de um gabarito que irá definir a posição de toda a estrutura que será construída, conforme o projeto de alocação, observando-se novamente o afastamento das divisas, a insolação e o correto alinhamento em relação ao lote. 

Sendo esta uma obra mais leve em comparação à de alvenaria convencional,  a sua estrutura de base terá, consequentemente, uma menor carga aplicada e uma estrutura menos pesada com a necessidade de menos furos de ancoragem, um cintamento no perímetro da residência e um piso estrutural do tipo radier. Nesta opção é muito importante que seja instalada corretamente toda a tubulação de água, esgoto, energia e gás que passará pelo piso e vigas, pois ao término desta o piso estará completamente concretado, dificultando qualquer alteração ou correção.

3. Supra Estrutura

Supra Estrutura em Steel Frame

Esta fase inicia-se com a montagem dos painéis das paredes utilizando-se os perfis em aço pré-cortados conforme as instruções contidas no Projeto Estrutural. São procedidas em bancadas, com parafusos auto-brocantes e parafusadeiras elétricas. Uma vez montados estes painéis, são fixados no embasamento com parafusos do tipo parabolt e protegidos por uma fita auto-adesiva em espuma isolante.

Em seguida são aparafusadas sobre a face externa as placas de OSB (Oriented Strand Board), de acordo com o projeto estrutural. Em seguida são abertos os vãos de portas e janelas, aplicada manta isolante de água, e finalmente as chapas cimentícias que serão responsáveis pelo isolamento final,  além do tratamento das juntas. Toda tubulação e fiação é fixada a seguir e finalmente é colocado o isolante termo acústico dentro das paredes e os revestimentos internos em Dry Wall.

É a partir desta etapa em que verdadeiramente é possível dimensionar as vantagens e as diferenças entre o método construtivo convencional e o Steel Frame, que apresenta maior velocidade, precisão, eficiência e equipe reduzida, que resultam em qualidade e economia. O tempo de conclusão desta etapa pode ser até cinco vezes menor  que no método construtivo convencional além de que o desperdício de material é de, em média, apenas  1% enquanto no método tradicional pode chegar a 30%.

 

4. Cobertura

A montagem da cobertura acontece logo após a fixação dos painéis das paredes e deve ser finaliza antes do fechamento externo destes. Ela obedece à mesma lógica da montagem das demais estruturas, com a pré-montagem em bancadas.

Utilizam-se parafusos auto-brocantes para fixação das guias e montantes nas dimensões e ângulos indicados no Projeto Estrutural.

A finalização pode ser feita de diversas formas.

Uma delas é a utilização de perfis tipo “cartola” e fixação de telhas do tipo tradicional. Outra forma é através da fixação de telhas do tipo sanduíche diretamente na estrutura principal do telhado com parafusos auto-brocantes próprios para telha. Ou ainda é possível a aplicação de placas OSB com face interna metalizada, utilizando parafusadeira e parafusos auto-brocantes, seguida da manta isolante aplicada com grampos, e por fim telhas do tipo shingle, fixadas com pregos específicos.

 

5. Acabamentos e Revestimentos

5.1 Portas

Muitas indústrias fornecem as portas já com caixilhos, vistas e até mesmo as ferragens já instaladas. Porém ainda é muito usual a compra individual de cada um desses elementos que deverão ser montados na obra por um carpinteiro.  Em ambos os casos, por serem peças de uso e movimento contínuo, devem ser tomados alguns cuidados, que listamos a seguir.

  • As portas externas devem apresentar maior resistência a intempéries e segurança que as portas internas.
  • Evite deixar a madeira ao natural, aplicando algum tipo de material impermeabilizante, como verniz, stain ou tinta.
  • Quando da fixação dos caixilhos, atenção para o correto alinhamento e posicionamento da porta. Para este procedimento é utilizada espuma de poliuretano aplicada entre o caixilho e a parede.
  • No que diz respeito às ferragens, observe a durabilidade , evitando as de ferro sem tratamento pois apresentarão degradação muito rapidamente.

5.2 Janelas

Aconselhamos que seja observada, em qualquer que seja o método construtivo adotado, que os vãos das janelas se apresentem perfeitamente alinhados e esquadrejados, com seu acabamento bruto finalizado e preferencialmente, com a utilização de soleiras em sua base, pois garantem uma melhor impermeabilização e aumentam a vida útil da pintura interna e externa.

Apesar de existirem no mercado janelas nos mais variados materiais, destacamos que as janelas em ferro e madeira demandam maiores e mais frequentes cuidados de manutenção e as janelas e PVC, apesar de demandarem pouca manutenção, ainda apresentam custo muito elevado. Assim aconselhamos o uso de janelas em estrutura de alumínio ou de vidro temperado. Ressaltamos no entanto que, apesar destas terem um custo menor, podem não ter o melhor desempenho ao isolamento do frio.

5.3 Pisos

Para a aplicação de qualquer piso escolhido é fundamental que o piso bruto ou o contra-piso executado durante a etapa de base esteja perfeitamente plano e nivelado para que o assentamento ou aplicação seja de fácil execução e não apresente posteriores problemas. Caso o piso bruto não esteja de acordo, será necessária a aplicação de uma camada fina de argamassa para regularização. Sugerimos a contratação de mão de obra especializada.

5.4 Acabamentos de paredes com cerâmica

Nas áreas molhadas da casa (banheiros, cozinhas e lavanderias), faz-se necessário que o revestimento das paredes seja feito com material impermeabilizante, e o mais utilizado para esta finalidade é o azulejo. Da mesma forma que nos pisos, as paredes deverão estar finalizadas, inclusive com toda a parte elétrica e hidráulica instalada. Aconselha-se a contratação de mão-de-obra especializada.

5.5 Texturas e Pintura

A principal função da pintura externa, não é estética, mas aumentar a resistência às intempéries que venham a atingir a fachada de sua casa. Desta forma aconselhamos a aplicação de revestimento mais resistentes como textura, grafiato e pintura projetada.

Nas áreas internas, a pintura pode ser mais simples e tem caráter estético. Aconselhamos a utilização de tintas de boa qualidade, látex ou acrílica, após a preparação das paredes com massa fina e lixamento.

6. Finalizações

6.1 Finalização Elétrica

Nesta fase a atenção e a observância ao projeto elétrico é muito importante vistas as graves consequências decorrentes da má instalação ou a inobservância das especificações técnicas, podendo causar sobrecargas, desligamentos involuntários e até mesmo incêndios.

Sugerimos que todas as instalações residenciais sejam, ao menos, bifásicas. Isto possibilitará uma melhor distribuição das cargas e a utilização de eletrodomésticos e eletroeletrônicos com as duas voltagens padrão no Brasil (127 e 220 volts). A fiação a ser utilizada deverá ser do tipo em cobre, flexível, nas bitolas especificadas, com revestimento isolante nas cores e resistência indicados no projeto elétrico.

Na ocasião da compra dos acabamentos (interruptores e tomadas) procure adquirir todos de um mesmo fornecedor e de uma linha específica, pois assim você terá unidade estética e de funcionamento.

6.2 Finalização Hidráulica e Esgotos

Antes do fechamento e finalização das paredes é importante testar a tubulação hidráulica e de esgoto, pois caso haja algum vazamento, este será visível e de fácil correção.

Confira os níveis e posicionamento de saída hidráulica, bem como o nivelamento dos misturados dos chuveiros e registos para que na hora da furação das chapas de Dry Wall estes acabamentos e saídas estejam corretamente alinhados.

Certifique-se que toda a tubulação esteja travada, sem pontos de fricção com a estrutura metálica e que não exista nenhum ponto de torção. Isso evita desgastes por atrito e consequentes rompimentos futuros da tubulação.